quarta-feira, 28 de março de 2012

Quando a boca cala ... o corpo grita!


A enfermidade é um conflito entre a personalidade e a alma.
O resfriado escorre quando o corpo não chora.
A dor de garganta entope quando não é possível comunicar as aflições.
O estômago arde quando as raivas não conseguem sair.
O diabetes invade quando a solidão dói.
O corpo engorda quando a insatisfação aperta.
A dor de cabeça deprime quando as duvidas aumentam.
O coração desiste quando o sentido da vida parece terminar.
A alergia aparece quando o perfeccionismo fica intolerável.
As unhas quebram quando as defesas ficam ameaçadas.
O peito aperta quando o orgulho escraviza.
A pressão sobe quando o medo aprisiona.
As neuroses paralisam quando a “criança interna” tiraniza.
A febre esquenta quando as defesas detonam as fronteiras da imunidade.
Os joelhos doem quando o orgulho não se dobra.
O câncer mata quando não se perdoa e/ou cansa de viver.
E as dores caladas? Como falam em nosso corpo?
A enfermidade não é má, ela avisa quando erramos a direção.
O caminho para a felicidade não é reto, existem curvas chamadas Equívocos, existem semáforos chamados Amigos, luzes de precaução chamadas Família, e ajudará muito ter no caminho uma peça de reposição chamada Decisão, um potente motor chamado Amor, um bom seguro chamado , abundante combustível chamado Paciência.
Mas principalmente um maravilhoso Condutor chamado DEUS.

sexta-feira, 23 de março de 2012

Segundo Encontro: Promoção da Saúde

O livrinho da Campanha da Fraternidade, como já dito no Blog, encontra-se disponível para vendas em livrarias católica de sua cidade. Lembrando que esta é uma edição da CNBB e com todos os direitos reservados:
Endereço para compras e contato:
SE/ Sul quadra 801, Conjunto "B"
Cep: 70200-014
Fone: (61) 2193-3019 / Fax: (61) 2193-3001
vendas@edicoescnbb.com.br
www.edicoescnbb.com.br

Encontro Catequético para Crianças e adolescentes:
Segundo Encontro:
Promoção da Saúde
"Cuido de mim e cuido do outro!"
Ao Catequista:

1. Considerações para desenvolver o encontro
"Se é dever do Estado promover a saúde por meios de ações preventivas e, oferecer um sistema de tratamento eficaz e digno a toda população, especialmente aos mais desprovidos de recursos é, também, responsabilidade de cada família e cidadão assumir um estilo de viver que, por meio de hábitos saudáveis e de exames preventivos, contribua para evitar as doenças. Se cabe ao Estado providenciar toda a assistência médica aos enfermos, cabe à família o acompanhamento dedicado e carinhoso aos seus que adoecem. A família, o Estado e a Igreja têm funções distintas, mas complementares no processo de tratamento de seus membros adoecidos" (TB 22).
(...) " para que ação evangelizadora da Igreja e dos cristãos, possa se revestir de contundência e profetismo na área da saúde, além da caridade na atenção aos enfermos, é necessário empenho por mudanças nas estruturas que geram enfermidades e mortes. Tais estruturas tornam-se visíveis nas situações de exclusão, na falta de condições adequadas e dignas de vida e no descaso, em certas circunstâncias, no atendimento oferecido aos usuários do sistema de saúde. Tudo isso é exposto não só pelos meios de comunicação, mas também pelos rostos sofridos e pelas mortes causadas pelo indgno atendimento" (TB23).

2. Justificativa na escolha do tema
" Pelo compromisso da Igreja com a sociedade na promoção da saúde pessoal e pública, contribuindo com o cumprimento das Metas do Milênio assumidas pelo governo brasileiro perante a comunidade internacional, evidenciam-se as ações pastorais de nossa Igreja em mais uma campanha em prol das mudanças da realidade social do nosso povo." (TB 26 a 28). É objetivo, deste encontro, fortalecer as ações individuais e coletivas para a promoção da saúde coletiva.

Dinâmica do Encontro
3. Acolhida
Dinâmica de apresentação das qualidades

a. Utilizar o crachá distribuído no 1° encontro e pedir para escrever, abaixo do nome, a qualidade/característica que cada um escolheu em casa, junto com a família.
Ex.;
Helena/Honesta ... Angêla/Afetuosa, etc ...

b. O catequista inicia a apresentação passando um objeto (um lápis, caneta ou outro objeto) para a pessoa sentada a sua direita dizendo:

Eu Helena honesta VEJO a Angêla e CREIO que ela é afetuosa.
Por sua vez a pessoa que recebeu continua:
Eu Angêla afetuosa VEJO a ... e CREIO que ...
Segue-se a apresentação até o final.

O objetivo dessa dinâmica, além do conhecimento de cada participante, é evidenciar as palavras VER e CRER, citados no TB, 177, ao analisar a missão de Jesus como luz do mundo (cf. Jo 9, 35-38)
Após a dinâmica, o catequista valoriza o grupo, realçando: quantos valores temos aqui, dons que Deus nos deu para serem colocados na construção de seu Reino e na construção em que nos estamos empenhados pela Campanha da Fraternidade. Qual é mesmo o nosso lema?
Todos de mãos juntas: "Que a saúde se difunda sobre a Terra!"

4. Um olhar sobre a realidade
Atividade:
Formar grupos de 3 ou 4 pessoas
Distribuir a atividade "Saúde e a soma de ..."

Saúde é soma de ...

 a) A qualidade de vida é resultado da saúde individual e da saúde coletiva. Saúde é um estado de equilíbrio do bem-estar físico, mental, social, e espiritual - resultado de boas condições de alimentação, habitação, educação, trabalho, lazer, serviçoes de saúde. Circule na figura, os fatores que mais prejudicam sua saúde.

b) Discuta com o grupo as questões a seguir e registre as suas conclusões.

1) Por que foi utilizado um vidro de remédio (balão utilizado em laboratório) na elaboração do texto?

2) Dos fatores escritos dentro do vidro, quais os que mais interferem negativamente na qualidade de vida da população brasileira? Por quê?

3) Segundo o texto, a raiva, o estresse, "engolir sapos" também são prejudiciais à saúde. Você concorda? Por quê?

4) Como cidadão, apresente uma sugestão para promover a saúde em sua comunidade.

5) Apresentação das conclusões dos grupos.

5. ILUMINANDO
- Leitura bíblica: Mt 25, 35-40
Releia o texto bíblico e reflita: como Jesus falaria hoje diante de nossas condições de saúde? De nossa realidade? 
Ex.;
  • Era descuidado com as vacinas e vocês me alertaram ...
  • Estava acomodado e vocês me animaram a lutar pelos meus direitos ...
  • Estava sem assistência médica e vocês me orientaram a exigir melhores condições nos postos de saúde ... (Estimular outras colocações) 
6. Buscando transformação
Sugerir que cada grupo elabore um "texto publicitário", chamando a atenção para a melhoria da saúde de sua comunidade e divulgando a ação sugerida na questão " d" da atividade - "Saúde é a soma de ... ".
Distribuir material para a confecção de cartazes: cartolina, papel colorido, canetinhas, lápis de cor, tesoura, cola, revistas para recortar, etc.

Como motivação, expor alguns cartazes como exemplo.
Promover a exposição dos cartazes elaborados pelo grupo num ambiente onde circulem várias pessoas.

7. Momento de oração
Oração dos "bons propósitos"

Ambientação
Uma mesa com uma toalha, uma jarra (se for semelhante ao balão de remédio mostrado na atividade, melhor ainda), uma vela acesa.
Distribuir aos catequizandos, sachês de açúcar (ou providenciar um açucareiro com uma colher). Dispor de um recipiente com água, outro com gelo, suco em pó ou um copo de concentrado.
Em clima de celebração e oração, lembrar aos catequizandos que podemos fazer um mundo melhor, "remediar", com bons propósitos, as situações de sofrimento, dor, doença, mal-estar. Para isso peçamos a Jesus que nos ajude a modificar nosso comportamento e nossas ações em prol da nossa saúde.
À medida que cada um for fazendo seu "propósito", pedir que coloque seu "ingrediente" na jarra que está sobre a mesa. Os propósitos devem ser manifestados em voz alta, como orações. Por exemplo:
  • Jesus, dai-me forças para controlar a vontade de comer doces, chocolates, refrigerantes em excesso.
  • Jesus, ajudai-me a dominar a preguiça e fazer mais exercícios físicos.
  • Jesus, fortalecei-me para não cair na tentação de colocar em risco minha saúde, colocando-me em situações de risco: drogas, álcool, brincar com fogo, objetos cortantes, etc
Citar mais situações de rico como: expor-se ao frio sem agasalho; não escovar os dentes; ver tv em excesso; usar em demasia a internet, o telefone celular, jogar demais videogame; ter falta de sono, etc.
Depois que todos colocarem na jarra as suas "orações", acrescentar a água, mexer o suco e distribuir um copo a cada um.

OBS:  Nas comunidades onde seja necessário conscientizar sobre o uso do soro caseiro, que ajuda a previnir a desidratação, o suco pode ser substituído por este soro.

Em breve o terceiro encontro!


OBS: Adquira o seu livrinho nas livrarias católicas da sua cidade. Ou através dos endereços citados acima!
Paz e Bem!
 
 

quarta-feira, 7 de março de 2012

Dia Internacional da Mulher ... 2012

A todas as MULHERES que visitam este BLOG, em especial às Catequistas amigas, amadas, irmãs em Cristo Jesus! 
Um maravilhoso dia para todas nós.
Parabéns a todas as MULHERES neste dia tão especial!
Que a exemplo de MARIA saibamos silenciar o coração, para ouvir sempre o que Deus quer nos falar!

“… cuida-te muito em não fazer chorar uma mulher, pois Deus conta as suas lágrimas. A mulher foi feita da costela do homem, não dos pés para ser pisoteada, nem da cabeça para ser superior, senão do lado para ser igual… debaixo do braço para ser protegida e do lado do coração para ser amada”. (Talmud Hebraico)
Um Feliz e Abençoado Dia da Mulher!
Paz e Bem!

terça-feira, 6 de março de 2012

Primeiro Encontro: Que a Saúde se difunda sobre a Terra!

O livrinho da Campanha da Fraternidade, como já dito no Blog, encontra-se disponível para vendas em livrarias católica de sua cidade. Lembrando que esta é uma edição da CNBB e com todos os direitos reservados:
Endereço para compras e contato:
SE/ Sul quadra 801, Conjunto "B"
Cep: 70200-014
Fone: (61) 2193-3019 / Fax: (61) 2193-3001
vendas@edicoescnbb.com.br
www.edicoescnbb.com.br

Encontro Catequético para Crianças e adolescentes:
Primeiro Encontro:
Dignidade Humana e Cidadania
"Somos Humanos chamados a altos voos"
Ao Catequista:

1. Considerações para desenvolver o encontro
A cidadania é conquistada através da participação coletiva e solidária. Sua construção inicia-se com a formação da identidade e da autoestima. Ser cidadão significa estar na vida e no mundo, sentindo-se parte integrante do gênero humano, participante ativo do esforço de mudança de sua realidade social, deixando por onde passa sua marca de filho(a) de Deus.

"Cidadão é o indivíduo que tem consciência de seus direitos e deveres e participa ativamente de todas as questões da sociedade." Herbert de Souza (Betinho)


"A razão mais alta da dignidade humana consiste na vocação do homem à união com Deus. Desde o seu nascimento o homem é convidado ao diálogo com Deus." (Gaudium et Spes, n. 19). Da dignidade da pessoa, criada à imagem e semelhança de Deus, decorrem direitos universais e invioláveis, superiores a qualquer lei humana. O acesso a esses direitos vai possibilitar às pessoas levar uma vida digna. É necessário, portanto, tornae acessíveis ao homem todas as coisas de que necessita para viver plenamente: alimentação, vestuário, moradia, trabalho, lazer, etc. (Gaudium et Spes, n. 26). Elas repercutem na qualidade de vida e, consequentemente, na saúde.
Com sua ação evangelizadora, Jesus não apenas cura os doentes, mas também resgata o ser humano para o meio da sociedade, dando-lhe dignidade e apresenta uma nova forma de relacionar-se com as pessoas necessitadas (Texto-Base (TB), 181).
Ao longo dos últimos anos, houve mudança no conceito de saúde: de 'caridade' para 'direito'. Hoje em dia, no entanto, esse direito está sendo transformado em 'negócio', num mercado livre sem coração! Há necessidade de empoderamento dos pobres, em termos de reinvindicação (cidadania) e para fazer algo concreto e forçar o direito básico à saúde. Esse direito encontra-se garantido nas constituições de muitos países (controle social do estado pela sociedade civil), mas ainda está longe de se tornar uma realidade para as populações da maioria dos países da América Latina e do Caribe. A mudança, que todos esperamos, e estamos buscando, não acontecerá de cima para baixo, mas a partir da conscientização e da educação para a cidadania e do controle social.

2. Justificativa da escolha do tema:
Diante da realidade da saúde pública no Brasil, que clama por justiça, equidade e solidariedade, e sabendo que a pessoa humana só sai de si quando tem boa autoestima e identidade bem estruturada, nossa meta, nesse primeiro encontro, é trabalhar dois aspectos: o resgate da dignidade da pessoa humana e a cidadania. 

Dinâmica do Encontro:
3. Acolhida e Saudação Inicial

Distribuir crachás para todos. O nome deve ser escrito na parte de cima, deixando um espaço que será completado no segundo encontro.
Exemplo: Elaine
               __________________ Espaço que será preenchido no segundo encontro.
Apresentar duas rosas (ou outra flor) aos catequizandos, uma murcha, despetalando, e outra bonita, cheia de vida, saudável.
  • Essas duas flores nos mostram a doença e a saúde. Para vocês o que é saúde? (As respostas vão girar em torno de: não ter doença, dor, estar forte, etc)
  • Completar o conceito de saúde que vai além da ausência de doenças:
 " Saúde é um processo harmonioso de bem-estar físico, psíquico, social e espiritual, e não apenas a ausência de doença, processo que capacita o ser humano a cumprir a missão que Deus lhe destinou, de acordo com a etapa e a condição de vida em que se encontre" (Definição do GPS, TB, 14).
"A vida saudável requer harmonia entre corpo e espírito, entre pessoa e ambiente, entre personalidade e responsabilidade" (TB,15).
  • Se fôssemos escolher uma dessa florespara oferecer a alguém, qual seria? A bonita, claro! Não oferecemos aquilo que julgamos que não agrada. Não nos doamos, se não gostamos de nós mesmos.
  • Deus criou o homem e a mulher à sua imagem, deu-nos dignidade de filhos, de pessoa humanacom capacidade de amar. É ponto de partida para amar, descobrir o próprio valor, viver a dignidade e proclamá-la a toda pessoa. Esta é a força capaz de estabelecer os relacionamentos fraternos, solidários, que a Campanha da fraternidade nos propõe. Ela quer 'suscitar o espírito fraterno e comunitário das pessoas na atenção aos enfermos e mobilizar por melhorias no sistema público de saúde'. (Objetivo Geral da CF/2012)
Vamos então, refletir um pouco mais sobre a dignidade humana, escutando uma história.
Contar a história " A águia e a Galinha"

Era uma vez um camponês que foi a floresta visinha apanhar um pássaro para mantê-lo em sua casa. Conseguiu pegar um filhote de águia. Colocou-o no galinheiro junto com as galinhas. Comia milho e ração própria para as galinhas. Embora a águia fosse o rei/rainha de todos os pássaros. Depois de cinco anos, este homem recebeu em sua casa a visita de um naturalista. Enquanto passeavam pelo jardim, disse o naturalista:
- Esse pássaro aí não é uma galinha. É uma águia.
- De fato _ disse o camponês. É águia. Mas eu criei como galinha. Ela não é mais uma águia. Transformou-se em galinha como as outras, apesar das asas de quase três metros de extensão.
- Não _ retrucou o naturalista. Ela é e sempre será uma águia. Pois tem um coração de águia. Esse coração a fará um dia voar às alturas.
_ Não, não _ insistiu o camponês.
Ela virou galinha e jamais voará como águia. Então decidiram fazer uma prova. O naturalista tomou a águia, ergueu-a bem alto e, desafiando-a, disse:
- Já que você de fato é uma águia, já que você pertence ao céu e não a terra, então abra as asas e voe! A águia pousou sobre o braço estendido do naturalista. Olhava distraidamente ao redor. Viu as galinhas lá embaixo, ciscando grãos. E pulou para junto delas. O camponês comentou:
- Eu lhe disse, ela virou uma simples galinha!
-Não _ tornou a insistir o naturalista. Ela é uma águia.
E uma águia será sempre uma águia. Vamos experimentar novamente amanhã.
No dia seguinte, o naturalista subiu com a águia no teto da casa. Sussurrou-lhe:
- Águia, já que você é uma águia, abra as suas asas e voe!
Mas quando a águia viu lá embaixo as galinhas, ciscando o chão, pulou e foi para junto delas.
O camponês sorriu e voltou a carga:
- Eu lhe havia dito, ela virou galinha!
-Não _ respondeu firmemente o naturalista. Ela é águia, possuirá sempre um coração de águia. Vamos experiemntar ainda uma última vez. Amanhã a farei voar.
No dia seguinte, o naturalista e o camponês levantaram bem cedo. Pegaram a águia, levaram para fora da cidade, longe da casa dos homens, no alto de uma montanha. O sol nascente dourava os picos das montanhas. O naturalista ergueu a águia para o alto e ordenou-lhe:
- Águia, já que você é uma águia, já que você pertence ao céu e não a terra, abra as asas e voe!
A águia olhou ao redor. Tremia como se experimentasse nova vida. mas não voou. Então o naturalista segurou-a firmemente, bem na direção do sol, para que seus olhos pudessen encher-se da claridade solar e da vastidão do horizonte. Nesse momento, ela abriu suas potentes asas, grasnou com o típico Kau-Kau das águias e ergueu-se, soberana, sobre si mesma. E começou a voar, a voar para o alto, a voar cada vez mais para o alto. Voou... voou... até confundir-se com o azul do firmamento ...

(Fonte: Boff, Leonardo. A águia e a galinha, a metáfora da condição humana. 40 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997).

Para refletir: 
- Como será que Deus nos criou? Somos águias ou galinhas? Ou somos as duas juntas? Vejamos o que nos diz a palavra sobre a nossa criação.

5. Iluminando o encontro
-Leitura Bíblica: Salmo 08 _ "O ser humano na criação".
- Pedir que releiam o versículo que chamou mais atenção.
- Como se sentiria ao saber que foram criados "coroados de glória e honra?"

6. Buscando a transformação
A) Atividades:

a. dar a cada um uma ficha com uma característica predominante da condição águia ou da condição galinha. (Ver lista no final).

b. Em pé, circulando pelo ambiente, os participantes devem identificar aqueles que possuem as características da 'condição águia' ou da 'condição galinha', formando dois grupos. Isso é feito sem que haja conversa, a comunicação será apenas por meio de gestos. Como fundo, colocar a música "Águia Pequena" de Pe. Zezinho, que fornecerá pistas, dados importantes.

c. Ao terminar a música, ois dois grupos já devem estar formados. cada grupo confere se as características estão corretas e as apresenta a todos.

Reflexão:
- Observando as duas condições (águia e galinha) o que concluímos? Agimos, somos apenas como uma delas? Ou as duas condições são essenciais para a realização humana? (deixar falar, sem interferências).
- Concluir: Cada pessoa tem dentro de si uma águia. Busca as alturas, o sol: foi feita para as grandes ideias e os grandes sentimentos.
Muitas vezes, porém, fica presa a coisas como uma galinha ciscando no galinheiro. Não nascemos só para cuidar de comida, roupa ... As duas condições são essenciais para a realização humana. Criados à imagem e semelhança de Deus temos que buscar sempre a perfeição, a nossa conversão, mas sempre sabedores de nossa pequenez.

Anexo:
Lista das características que predominam em cada condição:

a. Galinha: alimentação, moradia, ir à escola, praticar esportes, hábitos de higiene, trabalho, cuidado com o meio ambiente.

b. Águia: capacidade de amar, a busca por Deus, amor ao próximo, superar dificuldades, coragem para arriscar, persistência, sinceridade, realizar a vocação, buscar a filicidade.

B)
Trabalho em Grupo:

- Formar grupos de 4 a 5 pessoas, misturando as 'águias e as galinhas.'


"A Constituição do Brasil fundamenta-se na cidadania e dignidade da pessoa humana" (Art.1°) e garante que "todos são iguais perante a lei" (Art. 5°). Ela afirma que " São direitos sociais a educação, a saúde, o trabalho, a moradia, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e a infância, a assistência aos desamparados" (Art. 6°).


Com base no texto da Constituição, refletir com o grupo:
- É possível viver a condição de ' galinha ', satisfatoriamente nos dias de hoje?
- Como a condição 'águia' pode ajudar para termos mais qualidade de vida?
- Apresentar as conclusões.


C) Atividade para casa
- Discutir em casa, com a família, uma qualidade pessoal que você tem e que comece com a letra inicial do seu nome ou do segundo nome. Anotar para o próximo encontro.
Exemplo:
Paula_ paciente; Angela_amorosa; João_jeitoso.


7. Momento de Oração:
-Oração espontânea de louvor a Deus pelas condições de vida que ELE nos proporciona.


Em breve o segundo encontro!


OBS: Adquira o seu livrinho nas livrarias católicas da sua cidade. Ou através dos endereços citados acima!
Paz e Bem!

 

segunda-feira, 5 de março de 2012